quinta-feira, 19 de agosto de 2010

O ser humano é...

IDIOTA. Hoje reservei um tempinho para postar aqui no blog algo que julgo ser muito importante. Vou criticar nossa espécie. Sim, irônico, talvez paradoxal, porque essas críticas atingem a todos nós, inclusive a mim. Os pontos a serem abordados são: preconceito, egoísmo e John Locke.
Considerando o ser humano como o único ser racional, capaz de pensar no passado, imaginar coisas que nunca viu e possibilidades, também deve-se acreditar que ele seja capaz de mudar, de conviver, de usar sua inteligência positivamente. Mas não é bem assim que a banda toca, nós somos preconceituosos e não adianta negar. Uns são racistas, outros não gostam de deficientes, outros destratam os gordinhos. E mesmo que você ande com pessoas diferentes de você, cara, você não quer namorar ou ter algo com alguém diferente.
Você é intolerante. Todos somos. E eu sinto muito, por todos nós. Sim, sinto mesmo. Mas um preconceito que vem realmente me irritando é a homofobia de uma maneira mais geral, contra homens e mulheres gays, porque se você é gordinho, negro, tem QI baixo ou tem alguma deficiência, sua família vai te apoiar, não interessa o quanto você seja diferente e o quanto sofra. Já os homossexuais sofrem. Todos os dias ouvimos histórias de alguém que contou para os pais que é gay e os pais expulsaram de casa, entraram em crise, simplesmente não aceitaram.
Agora me diga, você, que diz ser tolerante, aceitaria um filho gay? Você o amaria igualmente e demonstraria isso? Então, essa ideia de que a homofobia caiu por terra, de que só as gerações mais antigas carregam preconceitos é mentira? Os jovens ainda odeiam gays, ainda dizem ter nojo e isso é incrivelmente estúpido. Numa era de diferenças, de progresso, os jovens ainda mantêm os mesmos tabus. Mudem isso, a sociedade é dinâmica, nós temos o poder de mudar tudo o que quisermos.
Egoísmo, esse é outro grande problema, que gera a desigualdade social, e buscamos por uma sociedade igualitária, ou pelo menos um pouco nivelada, em que todos tenham o que comer, o que beber, como tomar banho com água pura, tenham um teto, uma cama e acesso a internet. Todos merecem no mínimo isso. E quando permitimos que sejamos as pilastras que sustentam o consumismo estamos firmando, também, a desigualdade social. Quando permitimos que empresas que substituem seus antigos empregados por máquinas nos dominem comercialmente, quando compramos produtos sem nos preocuparmos com a origem, se pessoas morreram, foram escravizadas ou se crianças estão perdendo dedos e infância ao invés de estarem na escola para gerarem aquele banal bem material. A sua consciência, ou apenas o seu questionamento, sua imposição por um esclarecimento da origem de algo pode ser o fator necessário para a mudança.
E por último, mas não menos importante (talvez até seja o ponto máximo do post), John Locke. Ele é a razão de sermos quem somos, materialistas filhos da puta. Sim, parabéns, Locke, você é o cara. Não reclamo mais porque não sei como é viver em outra sociedade senão a capitalista, em que temos propriedade privada, zelamos por nossos bens, lutamos por eles. Ele disse que temos direito à vida, à propriedade privada e à felicidade, mas é difícil ter os três pacificamente. Então, é graças a esse homem que somos quem somos, egoístas. Agora a solução é tentar mudar, tentar ter bens sem exageros, fazer doações, amenizar essa desigualdade fruto da ideia de um teórico iluminista há tantos anos.

Revisado por Anna Beatriz


4 comentários:

b. borowski disse...

foooooooooda

Nanah Scheffer disse...

Bah! nem sei nem o que comentar...
mas concordo com tudo que você disse :T



foda²
xoxo

Joan Borges disse...

Parabéns pelo post, demonstra uma maturidade que deveria ser mais frequente nos indivíduos de nossa faixa etária. Quando se é gordo, negro ou incapaz, sua família te apóia, mas quando se é gay, todos ficam desapontados, mesmo quando fingem estar tudo bem. Ultrapassa o egoísmo e a intolerância, é uma corrente de asco e ignorância que não nos deixa evoluir. A quem interessa se eu amo mulheres ou homens, ou até mesmo os dois?! Até parece que todo mundo está alheio às peculiaridades da própria sexualidade, ainda mais no mundo atual. Somos todos filhos de uma mesma hipocrisia, que atravessa os anos, mascarada na educação transmitida de pais para filhos. Cya o/

silvya f. disse...

cara, ainda bem que existem pessoas que pensam como você, senão acho que já teríamos sucumbido há mt tempo. é certo que há muitas pressões contrárias, e o mundo não irá mudar enquanto houver pessoas que batam palma para o que faz mal, mas n os atinge. não podemos culpas essas pessoas, porque elas são ignorantes, e n tiveram nem chance de deixar de ser assim, n há interesse econômico e político em formar seres pensantes, quem será a massa de manobra?
bjs